Translate this Page

Rating: 2.7/5 (323 votos)




ONLINE
4




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Lições conectar somos o Israel 1 trim-2020
Lições conectar somos o Israel 1 trim-2020

   

                                       

 

ASSUNTOS DO TRIMESTRE 2020

 

 Lição 1 - O Pai de uma grande Nação

Lição 2 - Uma Nação Especial

Lição 3 - Igreja, o Israel Espiritual do Senhor

Lição 4 - Abençoando as Famílias da Terra

Lição 5 - Não Dormirá o Guarda de Israel

Lição 6 - O Valor da Obediência

Lição 7 - O Resultado da Confiança

Lição 8 - O Cordeiro Perfeito

Lição 9 - A Espera do Messias

Lição 10 - Todos debaixo da Promessa

Lição 11 - O Último Sacrifício

Lição 12 - Jesus, o Maior de Todos

Lição 13 - O Renascimento de Israel

 

LIÇÕES CONECTAR 2020 1 TRIMESTRE

Lição 2 - Uma Nação Especial

 

 

Versículo do Dia

"Palavra alguma falhou de todas as boas palavras que o Senhor falara à casa de Israel; tudo se cumpriu."  (Js 21.45)

Destaque para a classe que Deus se responsabiliza por aquilo que ele fala e promete.

E disse-me o Senhor: Viste bem; porque eu velo sobre a minha palavra para a cumprir (Jr 1.12).

O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar (Mt 24:35)

 

 

 

Deuteronômio 7.7-19

7 - O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos,

8 -  mas porque o Senhor vos amava: e, para guardar o juramento que jurara a vossos pais, o Senhor vos tirou com mão forte e vos resgatou da casa da servidão, da mão de Faraó, rei do Egito.

9 -  Saberás, pois, que o Senhor, teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda o concerto e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e guardam os seus mandamentos:

10 -  e dá pago em sua face a qualquer dos que o aborrecem, fazendo-o perecer; não será remisso para quem o aborrece; em sua face lho pagará.

11 -  Guarda, pois, os mandamentos, e os estatutos, e os juízos que hoje te mando fazer.

12 -  Será, pois, que, se, ouvindo estes juízos, os guardardes e fizerdes, o Senhor, teu Deus, te guardará o concerto e a beneficência que jurou a teus pais;

13 -  E amar-te-á, e abençoar-te-á, e te fará multiplicar, e abençoará o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o teu cereal, e o teu mosto, e o teu azeite, e a criação das tuas vacas, e o rebanho do teu gado miúdo, na terra que jurou a teus pais dar-te.

14 -  Bendito serás mais do que todos os povos; nem macho nem fêmea entre ti haverá estéril, nem entre os teus animais.

15 -  E o Senhor de ti desviará toda enfermidade; sobre ti não porá nenhum das más doenças dos egípcios, que bem sabes; antes, as porá sobre todos os que te aborrecem.

16 -  Pois consumirás todos os povos que te der o Senhor, teu Deus; o teu olho não os poupará; e não servirás a seus deuses, pois isso te seria por laço.

17 - Se disseres no teu coração: Estas nações são mais numerosas do que eu; com as poderei lançar fora?

18 -  Delas não tenha temor; não deixes de te lembrar do que o Senhor, teu Deus, fez a faraó e a todos os egípcios;

19 - das grandes provas que viram os teus olhos, e dos sinais, e maravilhas, e mão forte, e braço estendido, com que o Senhor, teu Deus, te tirou; assim fará o Senhor, teu Deus, com todos os povos, diante dos quais tu temes.

 

 

Objetivos da Lição

1 - Conhecer a nação de Israel

2 - Compreender os objetivos ao qual esta nação foi levantada.

 

3 - Entender porque esta nação e tão especial.

 

Introdução

Em Abraão nasceu uma nação por-nome de Israel que fora criada para representar o Senhor na Terra [...]

 

 

1 - Uma Nação Diferente

"Porque povo santo és ao Senhor teu Deus, o Senhor teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o seu próprio povo, de todos os povos que sobre a terra há" (Dt 7.6).

 

1.1 - Propósitos Divinos

O desejo de Deus para com Israel era que esta nação ensinasse aos outros povos sobre Ele [...] fosse um povo distinto [...] Israel falhou !

No Entanto, o propósito final de Deus para Israel, se cumpriu perfeitamente na pessoa de Jesus - o Messias e Salvador prometido.

Em sua soberania, quis Deus para Si um povo que o amasse em espírito e em verdade (Jo 4.24). Assim, resolveu, através de Abraão, fazer uma grande nação, com todas as características das demais: terra (Gn 15.7; 17.8), povo (Gn 12.2; 15.4,5; 17.1,2) e governo (Êx 19.6).

 

Deus constituiu um povo para que fosse a sua testemunha às nações (Gn 12.2-4; 22.18; At 13.46,47). Uma nação eleita por meio da qual pudesse enviar o Salvador do mundo (Gn 3.15; Jo 4.22) e confiar a Palavra, a fim de que esta fosse preservada para todos os povos em todas as gerações (Rm 9.4,5). (Lições CPAD Jovens e Adultos »  » 2006 » 1º Trim)

 

1.2 - Genealogia de Jesus

Nada poderia tornar Israel mais especial do que ser o povo que geraria o Messias. No capitulo 1 do livro de Mateus a genealogia do Senhor Jesus é identificada [...] onde Abraão aparece juntamente com Davi, definindo a linhagem terrena do Cristo.

"De sorte que todas as gerações desde Abraão até Davi, são Catorze gerações; e, desde Davi até a deportação para a Babilônia, catorze gerações; e desde a deportação para a Babilônia até Cristo, catorze gerações" (Mt 1.17).

 

[...]Miqueias 5.2: ‘E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre milhares de Judá, de ti me sairá o que será Senhor em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade’. A associação do futuro rei com Belém e a referência às suas origens estarem nos tempos antigos dão a entender que a reaparição do próprio Davi está em vista. Claro que esta é uma predição messiânica. Outros profetas (por exemplo, Isaías em Is 9.6,7; 11.1,10) e a revelação bíblica subsequente deixam claro que estas referências a Davi se cumpriram no Messias que, como o Filho de Davi, reinará no espírito e poder do seu ilustre antepassado.

Em Miqueias 5.2, a atenção é dada à insignificância relativa de Belém entre os clãs de Judá. Ironicamente, o rei escolhido do Senhor surgiria desta pequena cidade. Este padrão de Deus elevar o pequeno e insignificante ocorre em outros textos do Antigo Testamento (Gn 25.23; 48.14; Jz 6.15; 1 Sm 9.21).

Este rei, que surge de tais origens humildes, protegerá o povo como um pastor (o mesmo foi dito acerca de Davi; 2 Sm 5.2; Sl 78.71,72). Reinando pelo poder do Senhor, a sua fama alcançará proporções universais (Mq 5.4). Ele e o vice-regente evitarão que o mais poderoso dos inimigos de Israel (simbolizado aqui pela Assíria, o inimigo tradicional de Israel) invada a terra (Mq 5.5,6).

Junto com a restauração do rei davídico, Miqueias também profetizou uma reversão na sorte de Jerusalém. Miqueias advertiu que esta cidade, escolhida por Davi como capital e local do templo do Senhor, seria sujeita ao sítio (Mq 5.1) e reduzida a entulhos (Mq 3.12). Ele personificou a cidade em sua humilhação como uma mulher em trabalho de parto, estorcendo-se em agonia para dar à luz (Mq 4.9,10). Da perspectiva do exílio, Jerusalém personificada reconhece a justiça do castigo de Deus e prevê o dia da justificação e restauração (Mq 7.8-12). Utilizando a imagem de Miqueias 4.9,10, o profeta comparou a volta do povo exilado em Sião a dar à luz (Mq 5.3). No futuro, o Senhor livraria Jerusalém dos que a atacavam (Mq 4.11-13)” (ZUCK, R. B. (Ed.) Teologia do Antigo Testamento. 1 ed., RJ: CPAD. 2009, p.444).

guntou o outro, "como vocês podem ter um novo feriado se continuarmos perseguindo vocês?" O velho judeu disse: "Veja bem, Faraó quis nos exterminar – e nós recebemos um feriado: a Páscoa! Hamã quis enforcar Mordecai e exterminar todos os judeus – e nós recebemos um novo feriado: Purim! Antiôco, o rei da Síria, quis exterminar os judeus. Ele ofereceu um porco ao deus Júpiter no templo – e Israel recebeu outro feriado: Hanucah! Hitler quis nos exterminar – e nós recebemos mais um feriado: Yom Ha’atzmaut, o Dia da Independência! Os jordanianos ocuparam Jerusalém Oriental durante 19 anos, impedindo-nos de orar no Muro das Lamentações, até que, no ano de 1967, nossos soldados libertaram Jerusalém Oriental. Desde então festejamos anualmente o Yom Yerushalaym, o Dia de Jerusalém! E caso continuarem nos perseguindo, receberemos mais feriados da parte de Deus!" E o velho judeu tem razão! (Burkhard Vetsch - http://www.chamada.com.br)

 

 

2 - Guardada por Deus

"Não temas, ó bichinho de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o Senhor, e o teu redentor é o Santo de Israel" (Is 41.14).

 

2.1 - Debaixo da Proteção

Obedecer às leis de Deus e andar em seus caminhos, cabia à Israel, proteger o povo, cabia à Deus.

"Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra" (2 Cr 7.14) [...]

Em todas as situações que já passaram o povo de Israel não resta menor dúvida que o senhor tem cuidado do seu povo em todo tempo, inclusive no cativeiro babilônico. Comente com sua classe pelo menos alguns pontos sugeridos abaixo.

Embora estivesse a testemunhar o pior momento da história de Israel no Antigo Testamento, Jeremias sabia perfeitamente que o Senhor resgataria o seu povo: “Não temas, pois, tu, meu servo Jacó, diz o SENHOR, nem te espantes, ó Israel; porque eis que te livrarei das terras de longe, e a tua descendência, da terra do seu cativeiro; e Jacó tornará, e descansará, e ficará em sossego, e não haverá quem o atemorize” (Jr 30.10).

Vejamos como esta profecia começou a ser cumprida:

  1. A volta de Israel à sua terra. A nação de Israel começou a ser dispersa em 722 a.C., quando os assírios destruíram o Reino do Norte, levando cativas as dez tribos de Israel. Segundo se especula, as dez tribos perderam a sua identidade, misturando-se aos povos de sua dispersão. A profecia de Ezequiel, porém, diz o contrário: todas as tribos, inclusive a de Dã, voltarão à Terra de Promissões onde recuperarão sua formosa herança (Ez 48.1,2,32).
  2. O restabelecimento do Estado de Israel. Quem diria que, três anos após o término da Segunda Guerra Mundial, estaria sendo proclamado o Estado de Israel? Deus fez o impossível acontecer. Mesmo com os seis milhões de judeus assassinados pela Alemanha de Hitler, Israel

tornou-se realidade: “Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra em um só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos” (Is 66.8).

No dia 14 de maio de 1948, era proclamado o Estado de Israel que, apesar de todas as oposições gentias, vem representando um eloquentíssimo e cabal testemunho do cuidado de Deus em relação ao seu povo.

  1. A retomada de Jerusalém. Afirmou o Senhor Jesus em seu Sermão Profético: “E cairão a fio de espada e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem” (Lc 21.24).

Podemos datar a inauguração do tempo dos gentios a partir de 586 a.C., ocasião em que os babilônios conquistaram e destruíram Jerusalém. No entanto, Deus começou a reverter tal situação em junho de 1967, quando os exércitos israelenses retomaram o lado oriental da Cidade Santa. Em 1980, o então primeiro-ministro Menachen Begin proclamou Jerusalém como a capital una e indivisível de Israel.

Dias atribulados estão reservados a Jerusalém, mas o Senhor tem um firme compromisso com Sião, e jamais a desamparará. (Lições CPAD Jovens e Adultos 2010 » 2º Trim.)

 

Desde a escolha de Israel, como povo de propriedade de Deus, o inimigo tem sempre procurado destruí-lo. Ele costuma usar dirigentes políticos como Hitler, Nasser, Kaddafi, Yasser Arafat, mas também a imprensa de esquerda.

"Benditos os que te abençoarem, e malditos os que te amaldiçoarem... uma estrela procederá de Jacó, de Israel subirá um cetro" (Nm 24.9b e 17a).

Alguém que odiava os judeus perguntou a um velho judeu:

"O que você pensa que acontecerá com o seu povo se nós continuarmos perseguindo vocês"? O judeu respondeu: "Haverá um novo feriado para nós!" "O que você quer dizer com isso?", perguntou o outro, "como vocês podem ter um novo feriado se continuarmos perseguindo vocês?" O velho judeu disse: "Veja bem, Faraó quis nos exterminar – e nós recebemos um feriado: a Páscoa! Hamã quis enforcar Mordecai e exterminar todos os judeus – e nós recebemos um novo feriado: Purim! Antiôco, o rei da Síria, quis exterminar os judeus. Ele ofereceu um porco ao deus Júpiter no templo – e Israel recebeu outro feriado: Hanucah! Hitler quis nos exterminar – e nós recebemos mais um feriado: Yom Ha’atzmaut, o Dia da Independência! Os jordanianos ocuparam Jerusalém Oriental durante 19 anos, impedindo-nos de orar no Muro das Lamentações, até que, no ano de 1967, nossos soldados libertaram Jerusalém Oriental. Desde então festejamos anualmente o Yom Yerushalaym, o Dia de Jerusalém! E caso continuarem nos perseguindo, receberemos mais feriados da parte de Deus!" E o velho judeu tem razão! (Burkhard Vetsch - http://www.chamada.com.br)

 

2.2 - Debaixo da Bênção

[...] a geração que conseguiu chegar a terra prometida chegou não simplesmente a um pedaço de terra, mas ao lugar de bênção, em um lugar que somente Deus seria capaz de preparar.

"Mas a terra que passais a possuir é terra de montes e de vales; da chuva dos céus, beberá os águas; Terra de que o Senhor, teu Deus, tem cuidado; os olhos do Senhor, teu Deus, estão sobre ela continuamente, desde o princípio até o fim do ano." (Dt 11.11-12).

Os espias que voltaram de Canaã dirigiram-se aos seus líderes e ao povo, levando consigo a prova da bênção de Deus: o fruto da terra. Então confirmaram que, de fato, da Terra Prometida manava leite e mel — a expressão não tinha sido nenhum exagero de Deus e a prova disso era o fruto (Nm 13.26,27).

E contaram-lhe, e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e verdadeiramente mana leite e mel, e este é o seu fruto.( Números 13:27)

Pelo menos vinte vezes a expressão “terra que mana leite e mel” aparece na Bíblia referindo-se à terra prometida.

 

O leite pode significar que a terra seria fértil, cultivável, onde se poderia criar o gado e ter abundância de alimento. O mel, que é um produto extraído diretamente da natureza, pode representar o meio ambiente equilibrado que fornece as condições para que se possa usufruir dos recursos naturais e desfrutar do bem-estar que só a natureza pode prover.( https://www.ultimato.com.br/conteudo/terra-que-mana-leite-e-mel)

 

 

3 - Falhos, Porém Amados

Os israelitas pensavam que, por ser um povo que estava debaixo da proteção do Senhor, não seriam cobrados por seus pecados, foi um engano.

 

3.1 - Da Bênção ao Cativeiro

Os Israelitas misturavam suas crenças e suas convicções, trazendo grande prejuízo para o povo, e de uma terra próspera foram levados pelo rei Nabucodonosor para serem exilados na Babilônia, ainda perderam o templo e os utensílios da Casa do Senhor.

As causas que levaram o povo ao exílio

A teologia em boca de ímpio. Quando o capitão da guarda babilônica encontrou a Jeremias, pôs-se a teologizar: “O SENHOR, teu Deus, pronunciou este mal contra este lugar; e o SENHOR o trouxe e fez como tinha dito, porque pecastes contra o SENHOR e não obedecestes à sua voz; pelo que vos sucedeu tudo isto” (Jr 40.3,4).

Como um gentio idólatra e estranho à comunidade de Israel poderia ter uma ideia tão clara da justiça de Deus? De qualquer forma, havia ele entendido perfeitamente a justiça divina, enquanto que os judeus, iludidos pelos falsos profetas e pregadores, esperavam uma paz que não existia e uma prosperidade que já era miséria.

É hora de despertarmos dessa letargia, e passar a entender o que nos tem reservado o Senhor (Ef 5.14-18). Se perseverarmos na fé, herdaremos as eternas bem-aventuranças. Caso contrário: seremos destruídos (Is 30.21). (Lições CPAD Jovens e Adultos  2010 » 2º Trim.)

O cativeiro era uma demonstração do amor de Deus, corrigindo seu povo. Porque o Senhor corrige o que ama,E açoita a qualquer que recebe por filho.(Hb12.6)

 

3.2- Uma Promessa de Restauração

"Porquanto no meu santo monte, no monte alto de Israel, diz o Senhor Jeová, ali me servirá toda a casa de Israel, toda ela naquela terra, ali me deleitarei neles e ali demandarei as vossas ofertas alçadas e as primícias das vossas dádivas, com todas as vossas coisas sanas" (Ez 20.40).

O profeta Jeremias assegurou que o Senhor resgataria o Seu povo do cativeiro (Jr 30:10; 46:27). Do mesmo modo, Moisés e Salomão, séculos antes, haviam falado sobre uma restauração após o cativeiro (Dt 30:1-5; 1Rs 8:46-53). Outros profetas também asseguravam o livramento do exílio (Ez 39:25-27; Am 9:13-15; Sf 2:7; 3:20). (Lições BETEL Jovens e Adultos  2017 » 2º Trim.)

Jeremias orava ao senhor:

 “Converte-nos, SENHOR, a ti, e nós nos converteremos; renova os nossos dias como dantes. Por que nos rejeitarias totalmente? Por que te enfurecerias contra nós em tão grande maneira?” (Lm 5.20,21).

Note que a restauração de Israel também foi fruto das orações de Jeremias. Pergunte para a classe:”Vocês tem orado em favor da igreja”?Motive sua classe fazê-lo. A oração de um justo pode muito em seus efeitos(Tg 5.16).

Neemias também orou por Israel:

6 - Estejam, pois, atentos os teus ouvidos, e os teus olhos, abertos, para ouvires a oração do teu servo, que eu hoje faço perante ti, de dia e de noite, pelos filhos de Israel, teus servos; e faço confissão pelos pecados dos filhos de Israel, que pecamos contra ti; também eu e a casa de meu pai pecamos.

7 - De todo nos corrompemos contra ti e não guardamos os mandamentos, nem os estatutos, nem os juízos que ordenaste a Moisés, teu servo.(Ne1.6-7)

 

Deus dá o escape. Com a ascensão do império medo-persa no ano 536 a.C, o rei Ciro, instigado por Deus, permite que um grupo de judeus retorne a Jerusalém, a fim de reconstruir os muros da cidade e reerguer o Santo Templo (Dn 8.3; Ed 1.1). O Senhor sempre dá um escape aos seus servos, quando estes o honram e lhe obedecem à Palavra. Observemos que Ciro era um rei gentio. Isso nos mostra que Deus, para cumprir o seu propósito, usa a quem Ele quer e como quer. (Lições CPAD Jovens e Adultos »  2011 » 4º Trim.)

 

Conclusão

Israel, ao contrário do que muitos pensam, foi uma nação gerada sob as promessas do próprio Deus, desta forma é inconcebível que alguém que creia no Deus de Abraão, Isaque e Israel, desmoralize ou denigra a imagem desta nação.

 

Fonte

Revista BETEL - Conectar +. Tema: Somos o Israel de Deus, 1 Trimestre 2020

 

 

 

 

                       Lição 3 - Igreja, o Israel Espiritual do Senhor                                                                                                                                                  

 

Versículo do Dia

"Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem  no seu nome, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (Jo 1.11-12)

 

 

1 Pedro 2.5-9

5 - Vos também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.

6 - Por isso também na Escritura se contém:Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa;e quem nela crer não será confundido.

7 - E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes,a pedra que os edificadores reprovaram,essa foi a principal da esquina,

8 - E uma pedra de tropeço e rocha de escândalo,para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados.

9 - Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;

 

Objetivos da Lição

1 - Entender que a Igreja está debaixo dos promessas do Senhor;

2 - Compreender que Israel não está esquecida;

3 - Aprender que a igreja representa no Novo Testamento.

 

Introdução

[...] Israel foi a nação que Deus estabeleceu na terra para representá-lo, mas Israel por várias vezes falhou na sua missão; [...] Jesus possibilitou que outras pessoas realizassem esse papel, pessoas essas que formaram a Igreja.

 

1 - Amada por Deus, mas Desobedeceu à Ele

"Digo, pois: porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum; porque também sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim" (Rm 11.1)

 

1.1 - Uma Rejeição Contínua

Nos projetos de Deus, Israel sempre esteve lá, porém, não foi Deus que os rejeitou primeiro. Este povo (Israel), por inúmeras vezes, rejeitou as ordenanças do Senhor, e, por isso, sofreram muitas vezes as consequências [...]

"O meu povo foi destruído, porque lhe faltou conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esquece das lei do teu Deus, também eu me esquecerei dos teus filhos" (Os 4.6).

 

O evangelho de João já havia mostrado que Jesus veio para o que era seu, mas que os seus não o receberam (Jo 1.12). Aqui Paulo mostrará que a rejeição de Israel aconteceu, não por falta de aviso, mas porque não quis ouvir aquilo que Deus havia planejado para ele. Endureceram seus corações e tropeçaram na Palavra (Rm 10.14-21). Por outro lado, os gentios responderam positivamente a essa mesma Palavra e, por isso, foram aceitos. (Lições CPAD Jovens e Adultos »  » 2016 » 2º Trim)

Estimado, segue um link abaixo muito interessante :

Clique Aqui - Pr. Marcelo Oliveira - Teria Deus Rejeitado Israel ?

 

1.2 - Resultado da Desobediência

A desobediência de Israel não foi um caso isolado, por várias vezes esse povo decidiu desobedecer, e não pense que Deus não deu chance a eles para que tomassem as decisões certas.

"Lembra-te, e não te esqueças, de que muito provocaste à ira ao Senhor teu Deus no deserto; desde o dia em que saístes do Egito, até que chegastes a esse lugar, rebeldes fostes contra o Senhor.", Dt 9.7

O apóstolo deixa explícito a elevada estima que possuía por seus compatriotas. Ele abre o seu coração para expressar seus sentimentos em relação ao seu povo (Rm 9.1-5). Ele desejava que todos, assim como ele, entendessem o plano perfeito da salvação revelado em Jesus Cristo. Esse desejo de Paulo se intensifica quando ele lembra os crentes romanos de que aos judeus foi dada a adoção, a glória, os pactos, a Lei, o culto e as promessas. Paulo também os faz recordar que deles (dos judeus) também descendem os patriarcas e o próprio Cristo! Mas, apesar de todas essas bênçãos, o entendimento do povo judeu continuava, e continua, endurecido. (Lições CPAD Jovens e Adultos »  » 2016 » 2º Trim)

Olha que colocação bem feita do Pr. Anderson Farias da Igreja Batista Peniel : "Foi a constante OBEDIÊNCIA de Abraão aos mandamentos de Deus que abriu as portas das bênçãos ininterruptas e das revelações de Deus. Fé é confiança no Senhor e na Sua vontade. Obediência é a resposta voluntária à fé. É a prova da Fé. Israel foi chamado para receber as bênçãos e cumprir uma missão especial entre as nações das terra, porém, fracassou pela DESOBEDIÊNCIA."

(igrejabatistapenieloficial.agensite.com)

 

 

2 - A Igreja e as Promessas do Senhor

"Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.", Ef 1.4-5

Prezados professores com relação à doutrina da adoção coloco abaixo alguns comentários sobre o tema, os mesmos deixam bem claro um posicionamento, evidentemente fundamentado na palavra: “A regeneração dá a pessoa à natureza de filho de Deus. A adoção dá-lhe a posição de filho”; Jo. 1.12; Rm. 8.14-17; I Jo. 3.1

 

Obs. Os dois comentários abaixo não divergem sobre o tema.

Comentarista: Esequias Soares da Silva(CPAD)

Adoção de filhos é uma das grandes doutrinas da fé cristã. Ela nada tem com filiação, e sim com posição. A expressão deriva de dois termos gregos: “huios” = filho, e “thesis” = posição. A adoção quase não era usada entre os judeus. Os casos mencionados na Bíblia ocorreram fora do ambiente cultural de Israel, como o caso de Moisés (no Egito), Êx 2.10 e At 7.21. O caso de Ester (na Pérsia), Et 2.7,15. O mundo greco-romano onde foi escrito o Novo Testamento, sim, este praticava a adoção de filhos. O termo “huiothesia” é de origem romana, adotado pelos gregos. Paulo, inspirado pelo Espírito Santo o emprega cinco vezes: Rm 8.15,23; 9.4; Gl 4.5; Ef 1.5.

Em nossa cultura, adota-se quem não é filho, mas no caso da Bíblia a adoção espiritual é para quem já é filho de Deus. A Bíblia é clara: “adoção de filhos” (Rm 8.15; Gl 4.5). Deus não adota um crente como filho; este é gerado como tal, pelo Espírito Santo, na regeneração. Na adoção, recebemos a posição de filhos adultos e herdeiros, espiritualmente falando. “Adoção de filhos” não é nossa colocação na família de Deus; isto se dá no novo nascimento. Na adoção, o crente já como filho é elevado à posição de filho adulto e herdeiro da família. Na regeneração há mudança de natureza, pela filiação; na adoção, há mudança de posição.

Lembremo-nos: Deus só adota a quem já é seu filho!

A nossa adoção de filhos de Deus tem ainda um aspecto a cumprir-se no futuro: Rm 8.23 — é a nossa ressurreição ou transformação do nosso corpo, quando então seremos conformados com Jesus Cristo (1Jo 3.2).

(Lições CPAD Jovens e Adultos » 1998 » 2º Trim)

 

Comentarista: Claudionor Corrêa de Andrade(CPAD)

Antes de aceitarmos a Cristo, éramos apenas criaturas; agora, co-herdeiros de Cristo Jesus com pleno acesso a todas as bênçãos que, nEle, reservou-nos o Pai Celeste (Ef 1.13; 1 Co 3.21). A adoção, portanto, é uma das mais belas e confortadoras doutrinas da Bíblia.

  1. Definição etimológica. A palavra adoção, considerada literalmente, significa colocar na posição de filho.
  2. Definição teológica. No Novo Testamento, o vocábulo descreve o ato pelo qual Deus recebe, como filho, alguém que, legal e espiritualmente, não desfruta do direito de tê-lo como Pai. A partir desse momento, passa esse alguém, mediante o sacrifício de Cristo no Calvário, a desfrutar de todos os privilégios que Deus preparou àqueles que aceitam a Cristo como único e suficiente Salvador. O termo adoção encontra-se apenas nas epístolas paulinas (Rm 8.15,23; 9.4; Gl 4.5; Ef 1.5).
  3. Os privilégios da adoção. Adotado por Deus, o crente é considerado como filho do Pai Celeste (1 Jo 3.2); como irmão de Jesus (Hb 2.11); como herdeiro dos céus (Rm 8.17). De igual modo, é libertado do medo (Rm 8.15) e desfruta de segurança e certeza de vida eterna (Gl 4.5,6). (Lições CPAD Jovens e Adultos » » 2006 » 4º Trim)

não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai.O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.(Rm 8:15-16)

 

COMENTÁRIO BÍBLIA DE ESTUDO CRONOLÓGICA - CPAD

Ao dizer que Deus "nos elegeu", Paulo enfatizou que a salvação depende totalmente de Deus. Nós não somos salvos porque merecemos, mas porque Deus é misericordioso e nos dá a salvação gratuitamente. Nós não influenciamos a decisão de Deus de nos salvar; Ele nos salvou de acordo com seu plano. Deste modo, não há nenhuma maneira de recebermos qualquer crédito por nossa salvação ou de damos espaço ao orgulho. O mistério da salvação se originou na mente eterna de Deus muito antes de nós existirmos. É difícil entender como Deus poderia nos aceitar. Mas por causa de Cristo, somos santos e irrepreensíveis diante de seus olhos. Deus nos escolheu, e uma vez que nós pertencemos a Ele através de Jesus Cristo, Deus olha para nós como se nunca tivéssemos pecado. Tudo o que podemos fazer é expressar nossa gratidão pelo seu amor maravilhoso.

Dizer que Deus "nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo" é outra maneira de dizer que a salvação é uma obra de Deus, e não nossa. No seu amor infinito, Deus nos adotou como seus próprios filhos. Através do sacrifício de Jesus, Deus nos trouxe à sua família e nos fez herdeiros juntamente com Jesus (rm 8.17). No direito romano, os filhos adotivos tinham os mesmos direitos e privilégios dos filhos biológicos, mesmo se tivessem sido escravos antes de serem adotados. Paulo usa este termo para mostrar quão forte é nosso relacionamento com Deus. Você já passou a fazer parte deste relacionamento de amor e carinho com Deus? (Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág 1721)

 

2.1 - Em Cristo nos tornamos filhos de Deus

Os israelitas eram a projeção do que Deus queria estabelecer sobre a terra e por algumas vezes foram chamados de filhos (2 Sm 7.14; Os 11.1), porém, rejeitaram essa titularidade diante de suas ações,[...]

"Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio.Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus.", Gl 3.25-26

Conceito bíblico e teológico.

No sentido bíblico, o ser humano caído em pecado é uma criatura e não filho de Deus. Para se tornar filho de Deus é preciso crer no sacrifício vicário de Cristo para então ser recebido pelo Pai como filho por adoção (Jo 1.12; Gl 4.5). Assim, é possível fazer parte da família de Deus, desfrutando de uma relação terna e amorosa cuja expressão mais peculiar para descrevê-la é Aba (paizinho), Pai (Gl 4.6). É um privilégio ser membro de uma família em que todos passam a chamar e a considerar uns aos outros, irmãos em Cristo (1 Ts 2.14). Toda essa bênção só é possível porque fomos feitos "filhos de adoção por Jesus Cristo" (Ef 1.5).

(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2017 » 4º Trim.)

Servir de aio (Gl 3.24,25). O aio, ou paidagōgos, “tutor”, não era mestre, mas o guia e guardião que disciplinava a criança. No mundo romano, um escravo de confiança da família era encarregado de tomar conta do menino entre 6 e 16 anos; levá-lo à escola e trazê-lo de volta para casa, supervisionando sua conduta. Semelhantemente, a lei exercia apenas um papel disciplinar, servindo de aio para conduzir-nos a Cristo. Isso mostra a sua inferioridade em relação ao evangelho. Sua função terminou com a vinda do Messias (3.25). Agora, somos livres da lei, mas dependentes da graça de Deus.

(Lições CPAD Jovens e Adultos » 2006 » 2º Trim.)

 

"Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo.", Gl 4.7

 

COMENTÁRIO BÍBLIA DE ESTUDO CRONOLÓGICA - CPAD

Segundo a lei romana, um filho adotivo tinha todos os direitos legais às propriedades de seu pai, mesmo que, anteriormente, tivesse sido um escravo. Ele não era um filho de segunda classe; ele era igual a todos os outros filhos biológicos ou adotivos na família de seu pai. Como filhos adotivos de Deus, nós temos, como Jesus, todos os direitos aos recursos de Deus. Como herdeiros de Deus, podemos reivindicar o que Ele nos deu, nossa plena identidade como seus filhos. (Bíblia de Estudo Cronológica Aplicação Pessoal - CPAD - Pág.1576)

 

2.2 - Herdeiros de Deus

A condição de filhos automaticamente nos leva a condição de herdeiros, isso significa que aquele que em Cristo deposita sua fé tem como garantia as heranças prometidas pelo Pai, sem exceção.

"E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.", Rm 8.17

Herdeiros da promessa.

 

O Espírito Santo testifica ao nosso coração que somos filhos de Deus (Rm 8.16). Somos filhos porque fomos adotados pelo Pai, passamos a fazer parte de sua família e a desfrutar do privilégio de sermos os seus herdeiros (Tt 3.7; Rm 8.17). Por meio da adoção divina, deixamos de ser escravos, sem herança nem direito, para nos tornarmos filhos portadores de todos os privilégios da casa do Pai (Gl 4.7). Logo, temos uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível que está reservada nos céus para nós (1 Pe 1.4). (Lições CPAD Jovens e Adultos » 2017 » 4º Trim.)

 

 

3 - Os olhos do Senhor

O Senhor sempre estará atento e zelando pela integridade de seus filhos [...]

 

3.1 - O Deus Zeloso

Muitas vezes a igreja de Cristo adoece por não colocar seus anseios aos cuidados do Senhor, [...]

Deus cuida do seu povo (Êx 16.4; Dt 29.5). O Senhor não mudou, Ele cuidou do seu povo na travessia pelo deserto e também cuida de nós em todo o tempo (Hb 13.5). Confie no Senhor e não murmure como fez o povo no deserto, pois o Pai cuida de nossa provisão. Em o Novo Testamento, Paulo faz uma séria recomendação, a fim de que não venhamos nunca a seguir o exemplo de Israel: “E não murmureis, como também alguns deles murmuraram e pereceram pelo destruidor” (1Co 10.10). Murmurar é falar mal de alguém ou algo. A murmuração é um grave pecado contra Deus (Fp 2.14).

Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.(Hb13:5)

 

7 Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.(1Pe 5.7)

 

3.2- A Igreja de Cristo

 

 

Hoje a igreja vive a promessa de ser vista pelos olhos do Senhor, isso significa que Ele vê as nossas ações com justiça e nos abençoa diante das circunstâncias.

"Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos às suas orações, mas o rosto do Senhor é contra aqueles que fazem males." (1 Pe 3.12).

Estamos vivendo tempos de crise! A Palavra de Deus relata várias vezes que esses tempos não seriam uma novidade para a Igreja de Cristo: “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos” (2Tm 3.1). Seriam tempos marcados pela avareza dos homens, presunção, soberba, blasfêmia, ingratidão, profanação, desobediência aos pais, calúnia, traição, obstinação. Um tempo onde o ser humano olhará mais para si mesmo do que para o outro. Entretanto, nas palavras de Jesus, que é espírito e vida, há uma exortação para nós: “Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (Jo 16.33).

Em Cristo somos convidados a ter paz em meio à “guerra” e às demais lutas enfrentadas em nosso dia a dia. Por quê? Ora, as Escrituras Sagradas nos apresentam um Deus onisciente, isto é, que sabe de todas as coisas, que não é pego de surpresa e que em tudo conhece a nossa fragilidade e limitação.

As Escrituras também nos mostram um Deus pessoal, que apesar de ser onipotente, transcendente, soberano e todo-poderoso, se aproxima do seu povo, pois “eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem seu ouvido agravado, para não poder ouvir” (Is 59.1).

A lição do presente trimestre traz uma proposta para o povo de Deus refletir a respeito de um Deus que provê. Aqui há uma excelente oportunidade de nos reencontrarmos com um tema sempre presente ao longo da teologia prática da igreja pentecostal. Nossa mensagem sempre proclamou a intervenção de Deus na história.

 

(SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO,CPAD)

 

Conclusão

Hoje a Igreja tem função de representar o Senhor, e fazer com que os povos conheçam o Evangelho de Cristo. Assim como Israel foi muito importante para representar a vontade de Deus na antiguidade, hoje, a Igreja tem a missão de ser sal da Terra e luz do mundo, levando o Evangelho a todos, anunciando a Salvação por intermédio de Cristo.

 

Fonte

Revista BETEL - Conectar +. Tema: Somos o Israel de Deus, 1 Trimestre 2020

 

ESCOLA DOMINICAL BETEL CONECTAR - Lição 4

 

ABENÇOANDO AS FAMÍLIAS DA TERRA

___/ ___/ ______

 

 

Versículo do dia

"E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.", Gn 12.3

 

Para impactar

A promessa da bênção sobre todas as famílias da terra se iniciou em Abraão, mas a plenitude desta promessa se concluiu através do Senhor Jesus.

 

Textos de Referência.

At 16.25-33

 

Introdução

A família foi instituída por Deus, a qual foi formada por homem, mulher e posteriormente filhos. Deus profetizou na vida de Abraão (Gn 12.1-3) e essa profecia se estende à nós. Deus quer que façamos parte de uma grande nação, e através de nós, famílias sejam abençoadas.

 

#pontochave

"Jesus pode restaurar qualquer coisa na vida do ser humano, inclusive a família. Ele não se importa com o tamanho da destruição que esteja atingindo a família, se houver desejo e fé, o Senhor muda rumos, histórias, vidas e situações."

 

  1. INSTITUINDO A FAMÍLIA

"E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.", Gn 1.28

 

1.1. No início

O livro de Gênesis apresenta-nos sobre o início de tudo, onde Deus criou todas as coisas em um prazo de seis dias, e tudo quando Deus criou era bom. Contudo, após ter criado o homem, o Senhor criador observou que este precisava de uma companheira (Gn  2.18),  e desta forma Deus criou a mulher e a entregou ao homem, iniciando a mais antiga e bela instituição do mundo, a família.

"E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.", Gn 2.23.

 

1.2. As regras de Deus sobre a Família

"Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.", Gn 2.24.

A Bíblia é muito clara quanto ao conceito de família, inicialmente são homem e mulher que se unem e posteriormente nascem os filhos, isso significa que o Senhor não dá qualquer tipo de abertura para que tentem formar famílias diferentes daquela que Ele mesmo instituiu.

Qualquer outra forma de relacionamento que não se encaixe aos padrões bíblicos, é considerada pelo próprio Deus como abominação.

Para Deus só existe um modelo de família, o que Ele mesmo criou.

 

#pararefletireadorar

"A solução para o casamento e para a família não está nos modelos falidos da sociedade pós-moderna, mas na eterna e infalível Palavra de Deus. O mesmo Deus que instituiu o casamento tem solução para o casamento em crise". Hernandes Dias Lopes

 

 

 

  1. DEFORMANDO A FAMÍLIA

"Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.", Rm 1.26-27

 

2.1. Perdendo a bênção

Quando Deus fala a Abraão que todas as famílias da Terra seriam benditas nele, isso significa que da linhagem dele viria alguém com capacidade de abençoar todas as famílias da Terra, Jesus foi este homem, Ele disponibilizou as bênçãos sobre todas as famílias da Terra, porém só recebe esta promessa quem o aceita como salvador.

Infelizmente muitas pessoas têm tentado manter suas famílias de forma equivocada, fora dos preceitos do Senhor e sem entender quais foram os verdadeiros propósitos de se constituir uma família, deixando-se levar pelo que a sociedade pós-moderna tem imposto ao homem, para que sua família seja "moderna".

Vemos então, famílias destruídas por falta de conhecimento da Palavra de Deus.

 

"Ele disponibilizou as bênçãos sobre todas as famílias da Terra..."

 

2.2. Abominação ao Senhor

Não é apenas por falta de conhecimento que os homens têm perdido suas famílias, mas também por aceitarem as condições satânicas que o mundo tem imposto às pessoas. A homossexualidade, a infidelidade, a imoralidade, a prostituição, ideologia de gênero e tantas coisas mais que parecem ser tão naturais nos dias de hoje, continuam como abominação aos olhos de Deus, e só geram maldição na vida das pessoas. De forma alguma alguém que se sujeita a este tipo de vida poderá estar em comunhão com o Senhor, usufruindo de Suas bênçãos (1Co 6.10).

Assim como Deus é a fonte do bem e da justiça, Satanás é a fonte de todo mal e destruição (1Jo 3.7-8).

 

 

 

  1. RESTAURANDO A FAMÍLIA

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.

Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.", Mt 11.28-30

 

3.1. Ele não desiste de ninguém

Jesus pode restaurar qualquer coisa na vida do ser humano, inclusive a família, Ele não se importa com o tamanho da destruição que esteja atingindo a família, se houver desejo e fé, o Senhor muda rumos, histórias, vidas e situações.

Mesmo que sua família esteja destruída, não haja paz e esteja sem esperança, o Cristo que trouxe Lázaro à vida, pode trazer vida novamente à sua família.

 

3.2. Restaurando raízes

É preciso plantarmos as nossas raízes em base sólida, e a fé é a base fundamental para uma reconstrução (Mt 9.23). A fé atrelada ao amor de Deus (Jo 15.12), nos dará subsídio para contra-atacar o inimigo em nossas lutas interiores. A leitura da Palavra de Deus nos dará sabedoria para fortalecer e restaurar as raízes dos relacionamentos familiares.

 

Conclusão

A família é um projeto abençoador de Deus para todos nós, e Seu desejo é que todas as famílias sejam abençoadas por Seu amor. E nós somos este canal de Deus para as famílias desta geração.

 

#aprendeu

  1. Qual o conceito bíblico para família?
  2. Por que famílias têm sido destruídas?
  3. Quem pode restaurar qualquer família, independente da situação?

 

 

ESCOLA DOMINICAL BETEL CONECTAR

 Lição 5 JOVENS

 

NÃO DORMIRÁ O GUARDA DE ISRAEL

___/ ___/ ______

 

 

Versículo do dia

"Eis que não tosquenejará nem dormirá o guarda de Israel.", Sl 121.4

 

Para impactar

O Senhor prometeu, no passado, guardar e proteger a nação de Israel. Isso não é diferente com a Igreja, pois o Senhor peleja sempre em favor dos seus.

 

Textos de Referência.

Sl 121

 

Introdução

Devemos entender que Deus sempre teve comprometimento de guardar os fiéis da Terra. Foi assim com a nação de Israel; o Senhor sempre a protegeu, e hoje essa promessa se estende a igreja que é representante de Cristo sobre todas as nações.

 

#pontochave

"Jesus prometeu que sua igreja prevaleceria contra todos os intentos do inimigo, e nisso devemos depositar nossa fé: em saber que Cristo se comprometeu a manter sua igreja guardada e protegida diante dos levantes do mal."

 

  1. UMA PROMESSA A ISRAEL

"Como as aves voam, assim o Senhor dos Exércitos amparará a Jerusalém; ele a amparará, a livrará e, passando, a salvará.", Is 31.5

1.1. O Senhor está sempre atento

Quando Deus fez a promessa a Abraão, em Gênesis 12, de torná-lo pai de uma grande nação, o Senhor faz também a ele uma promessa de proteção: os que estivessem a favor dele seriam abençoados, porém, os que lhe desejassem o mal seriam amaldiçoados (Gn 12.3). O Senhor demonstrou o seu compromisso com aqueles que o representam nesta Terra, pois, inúmeras vezes prometeu guardar o povo de Israel de seus inimigos, se andassem em obediência.

"Esforçai-vos, e animai-vos; não temais, nem vos espanteis diante deles; porque o Senhor teu Deus é o que vai contigo; não te deixará nem te desamparará.", Dt 31.6

 

1.2. Grandes livramentos

A Bíblia diz:

"Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?", Nm 23.19.

Isso significa que Deus prometeu proteção a seu povo, e como Ele não mente, por várias vezes Israel sentiu a poderosa mão do Senhor lhes guardando de todo o mal.

O Senhor livrou os israelitas da mão de Faraó (Êx 14.27). Davi venceu o gigante Golias; livrando Israel das mãos dos filisteus (1Sm 17.52). O Senhor livrou Israel das emboscadas do rei da Síria (2Rs 6.8-10), e por inúmeras vezes o Senhor se apresentou, fazendo com que a nação de Israel fosse guardado diante de seus inimigos.

 

#pararefletireadorar

"O melhor de tudo é que Deus está conosco". John Wesley

 

  1. A IGREJA PROTEGIDA

"Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno.", 2 Ts 3.3

 

2.1. A Igreja prevalece

Bem sabemos que os levantes do inimigo contra a igreja não são muito diferentes dos ataque que ele preparava contra Israel no passado. O desejo do inimigo é ver a igreja do Senhor Jesus caída e prostrada diante das adversidades, porém o Senhor fez uma promessa a sua igreja, na qual o cristão deve colocar sua confiança:

"Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;", Mt 16.18

Jesus prometeu que sua igreja prevaleceria contra todos os intentos do inimigo, e nisso devemos depositar nossa fé: em saber que Cristo se comprometeu a manter a sua igreja guardada e protegida diante dos levantes do mal.

 

"Mas fiel é o Senhor, que vos confortará e vos guardará do maligno"

 

2.2. Protegidos por amor de Cristo

"E de todos sereis odiados por causa do meu nome. Mas não perecerá um único cabelo da vossa cabeça.", Lc 21.17,18

A proteção do Senhor para com sua igreja está diretamente relacionada com o fato de que o inimigo se empenha em destruir o povo de Deus, porém, se este povo amar o Senhor, o mal não lhes atingirá.

"Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca.", 1 Jo 5.18

 

  1. CUMPRINDO A PROMESSA

"E Pedro, tornando a si, disse: Agora sei verdadeiramente que o Senhor enviou o seu anjo, e me livrou da mão de Herodes, e de tudo o que o povo dos judeus esperava.", At 12.11

 

3.1. Perseguindo Pedro

A Bíblia diz em Atos dos Apóstolos que o rei Herodes pelo simples prazer de fazer maldade matou a Tiago, irmão de João, e mandou prender Pedro, assim que o fez colocou quatro soldados na prisão para vigiá-lo, porém, Pedro era membro do corpo de Cristo: enquanto estava encarcerado, a igreja orava por ele continuamente.

"Pedro, pois, era guardado na prisão; mas a igreja fazia contínua oração por ele a Deus.", At 12.5

 

3.2. As portas do inferno não prevalecerão

Como vimos anteriormente, um dia o Senhor Jesus disse a Pedro que as portas do inferno não prevaleceriam contra a Igreja, e Pedro pôde constatar que isso era (e sempre será) uma grande verdade.

Enquanto Pedro dormia, um anjo lhe acordou e fez com que ele saísse da prisão, onde as grades se abriram, bem como a porta que saia para a cidade. Desta forma, quando Pedro chega à casa de Maria, onde muitos irmãos estavam reunidos, todos puderam contemplar a veracidade da Palavra de Deus. Descobriram que Deus faz o sobrenatural para guardar os seus fieis na Terra.

"E acenando-lhes ele com a mão para que se calassem, contou-lhes como o Senhor o tirara da prisão, e disse: Anunciai isto a Tiago e aos irmãos. E, saindo, partiu para outro lugar.", At 12.17

 

Conclusão

O Deus Todo-Poderoso não descansa. Ele está sempre pronto e atento para atender e livrar o seu povo das astutas ciladas do diabo. Assim como Ele protegeu os seus no passado, continua protegendo a sua igreja hoje.

 

#aprendeu

  1. O que Deus falou a Abraão concernente a proteção?
  2. Em que devemos depositar nossa fé?
  3. Quem pode constatar que realmente as portas do inferno não prevalecem contra a igreja?

 

 

 

ESCOLA DOMINICAL BETEL CONECTAR - Lição 7

 O RESULTADO DA CONFIANÇA

___/ ___/ ______

 

 

Versículo do dia

"Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor nosso Deus.", Sl 20.7

 

Para impactar

Confiar no Senhor significa, ter fé nEle e crer que Ele está no controle de todas as coisas, e pode fazer aquilo que parece impossível a favor dos seus.

 

Textos de Referência.

Sl 71.1-5

 

Introdução

Confiar em Deus é uma das maiores necessidades do ser humano nos dias de hoje. Em tempos difíceis e estressantes, confiar em Deus é a escolha mais segura.

 

#pontochave

"A confiança em Deus faz o homem se sentir realmente feliz, esperançoso e forte, pois sabe que o Senhor sempre tem o melhor a oferecer."

 

  1. ENTENDENDO A CONFIANÇA

Segundo alguns dicionários, confiança é acreditar que algo não falhará, crer que algo ou alguém cumprirá sua função, acreditar sinceramente, firme convicção em algo.

 

1.1. A confiança na Bíblia

Biblicamente confiança está atrelada na fé e naquilo que se crê.

Confiar em Deus significa crer no Seu poder e na Sua justiça; é ter a certeza de estar seguro mesmo em meio a um mar revolto, que simboliza as adversidades, as perseguições, as frustrações, as tentações, os medos e tantas coisas mais.

A confiança em Deus faz o homem se sentir realmente feliz, esperançoso e forte, pois sabe que o Senhor sempre tem o melhor a lhe oferecer.

"Porque o Senhor Deus é um sol e escudo; o Senhor dará graça e glória; não retirará bem algum aos que andam na retidão.Senhor dos Exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança.", Sl 84.11-12

 

1.2. Confiança plena

A confiança em Deus não pode e não deve ser com reservas; pelo contrário, requer uma entrega total, pois o que fazemos confiando no poder da nossa própria sabedoria e da nossa própria força, traz consigo possibilidades de erros, fracassos, desistência, e outras coisas mais, porém, quem confia na poderosa mão do Senhor sabe que tudo o que Ele faz é pleno, completo e perfeito.

"Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento.Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas.", Pv 3.5-6

 

#pararefletireadorar

 

 

"Nós precisamos de ventos e tempestades para exercitar nossa fé, para arrancar o ramo podre da autoconfiança e nos enraizar mais firmemente em Cristo". Charles H. Spurgeon

 

  1. A CONFIANÇA DE ISRAEL

"O caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam.", Sl 18.30

 

2.1. Israel foi abençoado por confiar em Deus

Deus, por muitas vezes exaltou a nação israelita quando, em meio à dificuldades, homens confiaram que Deus poderia salvá-los da adversidade. Algumas vezes, toda nação se colocou de joelhos, em outras, alguns israelitas sozinhos confiaram no Senhor e prevaleceram contra seus inimigos.

A Nação:

"E fizeram guerra aos hagarenos, como a Jetur, e a Nafis e a Nodabe.E foram ajudados contra eles, e os hagarenos e todos quantos estavam com eles foram entregues em sua mão; porque, na peleja, clamaram a Deus que lhes deu ouvidos, porquanto confiaram nele.", 1 Cr 5.19-20

 

"A confiança em Deus faz o homem se sentir realmente feliz, esperançoso e forte..."

 

2.2. Homens que fizeram a diferença

Deus cuidou da nação de Israel, mas também contou com homens que de forma individual creram e confiaram no que o Senhor poderia fazer em favor deles.

Noé confiou no Senhor e não foi condenado juntamente com toda a humanidade (Gn 7.7).

Abraão confiou no Senhor e saiu de sua terra para se tornar o pai de uma grande nação (Gn 12.5).

Moisés retirou cerca de seiscentos mil homens, sem contar mulheres e crianças, da mão de Faraó (Êx 12.37).

A confiança de Elias, envergonhou os profetas de Baal (1 Rs 18.36-38).

 

 

 

  1. A CONFIANÇA DA IGREJA

"E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve.", 1 Jo 5.14

 

3.1. Nossa confiança é Cristo

Infelizmente muitas pessoas acham equivocadamente que confiar em Deus é um dispositivo que liga e desliga a qualquer hora, quando não precisa, desliga; quando precisa, liga.

A verdade é que nossa capacidade de confiança em Deus só pode ser gerada em nós através de Cristo.

"E é por Cristo que temos tal confiança em Deus;Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus.", 2 Co 3.4-5

 

3.2. A Confiança nos gera bênçãos

A confiança no Senhor Jesus gera bênçãos sem limites na vida do cristão.

A confiança em Cristo nos faz participantes de Suas promessas, mas para isso, devemos confiar até o fim.

"Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim.", Hb 3.14

Se confiarmos em Jesus, e pedirmos algo que esteja de acordo com o seu coração, verdadeiramente seremos abençoados.

"E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve.", 1 Jo 5.14

 

Conclusão

Confiar em Deus é ter certeza de que Ele está no controle de todas as coisas da nossa vida, da nossa família, da nossa igreja e etc. Porém, essa confiança só é eficaz se for constante, isso significa que, devemos confiar em Deus quando Ele disser sim ou quando disser não!

 

#aprendeu

  1. O que significa confiança segundo o dicionário?
  2. Dê o exemplo de dois homens que confiaram plenamente em Deus?
  3. A nossa capacidade de confiança em Deus só pode ser gerada através de quem?

 

ESCOLA DOMINICAL BETEL CONECTAR - Lição 8 

O CORDEIRO PERFEITO

___/ ___/ ______

 

 

Versículo do dia

"E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem.", Êx 12.7

 

Para impactar

Para Israel, Deus mostrou o projeto de salvação através de um cordeiro; em Cristo, que é o Cordeiro Perfeito, o projeto se cumpriu.

 

Textos de Referência.

Hb 9.11-15

 

Introdução

Veremos nesta aula que desde o princípio, Deus deixou muito claro que enviaria alguém parar salvar a humanidade e, em todo o Antigo Testamento, isso foi anunciado de forma simbólica através de cordeiros e sangue. Esse alguém veio, seu nome é Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus!

 

#pontochave

"O amor de Deus pela humanidade resumido em um homem, uma cruz, sangue derramado, perdão de pecados e humanidade restaurada."

 

  1. UM CATIVEIRO DOLOROSO

Como foi visto anteriormente, o povo israelita passou por muitos problemas em sua história, e uma destas marcantes histórias, foi a saída do cativeiro egípcio, uma história de sofrimento e libertação.

 

1.1. Um povo sofrido

Após José, que foi governador do Egito, morrer e também morrerem todos os seus irmãos daquela geração, os israelitas se multiplicaram muito naquela nação. Neste período se levantou um rei que não conheceu José e, preocupado com o crescimento deste povo, resolve colocar a nação de Israel sob um pesado jugo, a ponto de quase não poderem suportar.

"E os egípcios faziam servir os filhos de Israel com dureza;Assim que lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o seu serviço, em que os obrigavam com dureza.", Êx 1.13-14

 

1.2. Moisés, um grande libertador

Diante do crescimento populacional, o rei do Egito dá ordens às parteiras das mulheres hebreias: quando nascesse filho homem deveria ser morto, e filha mulher continuaria com vida.

Da casa de Levi nasceu um menino, que posteriormente foi chamado de Moisés, que não pôde crescer entre seu povo, pois, para não morrer, foi lançado nas águas e encontrado pela filha de Faraó. Assim cresceu Moisés em meio a cultura egípcia. Porém, Deus já tinha um grande projeto para ele ser o libertador de Israel.

Moisés cresceu e, para defender um hebreu, acabou assassinando um soldado egípcio, assim fugiu para Midiã. Lá conheceu a filha de Jetro, e se casou com Zípora; e, quando cuidava do rebanho do seu sogro, recebeu a maior chamada de sua vida: no meio da sarça ardente Deus lhe disse:

"E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem.Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó para que tires o meu povo (os filhos de Israel) do Egito.", Êx 3.9,10

 

#pararefletireadorar

 

 

"A cruz de Cristo é a coisa mais revolucionária que já apareceu entre os homens". A. W. Tozer

 

  1. CEDENDO AO PODER DE DEUS

Moody disse que Moisés gastou quarenta anos pensando que era alguém, quarenta anos aprendendo que não era ninguém, quarenta anos aprendendo o que Deus pode fazer com um ninguém.

 

2.1. Libertando o povo

Moisés vai a Faraó em nome do Deus de Abraão, Isaque e Jacó, mas Faraó não aceita libertar o povo, pelo contrário, os aflige ainda mais (Êx 5.7).

Depois disso, Deus vai se apresentando a Faraó através de pragas, para que ele entendesse quem era o "Eu Sou". Por nove pragas passou o Egito, e mesmo assim, nada mudou, porém, a décima praga mudaria a história de Israel para sempre. Deus disse a Moisés que passaria a noite sobre toda a terra do Egito e todos os primogênitos machos morreriam; somente aqueles que matassem um cordeiro sem mácula e passasse o seu sangue nas vergas da porta se salvaria da morte.

Assim o Senhor prometeu, assim o Senhor fez.

 

"A obra da cruz foi o ápice da misericórdia de Deus sobre a humanidade"

 

2.2. O sangue do cordeiro

Como o Senhor havia dito, à meia noite o anjo do Senhor feriu todos os primogênitos da terra do Egito, porém na casa dos Israelitas que tinham a marca do Sangue do cordeiro, nada aconteceu.

O sangue de um cordeiro puro foi capaz de livrar uma nação da condenação que era certa, e não somente isso, pois, depois desse dia, Faraó sem seu filho permitiu que os israelitas começassem sua trajetória até a terra prometida.

"Então chamou a Moisés e a Arão de noite, e disse: Levantai-vos, saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; e ide, servi ao Senhor, como tendes dito.", Êx 012.31

 

 

 

  1. O CORDEIRO DE DEUS

"No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.", Jo 1.29

 

3.1. O sangue de Jesus

Assim como no passado, o sangue de um cordeiro salvou um povo através de seu sangue; em Cristo a humanidade pôde ser salva através de Seu sangue puro e inocente.

"Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.", Ef 2.13

 

3.2. Uma obra perfeita

Assim como foi na Lei, a Graça se manifestou através do sangue, pois o sangue foi e é fundamental para a remissão de pecado.

"E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.", Hb 9.22

A obra da cruz foi o ápice da misericórdia de Deus sobre a humanidade, pois um sangue inocente foi derramado para inocentar todos os culpados. Jesus, a obra perfeita.

 

Conclusão

Jesus, o Cordeiro de Deus veio para finalizar o plano infalível de Deus. Jesus pagou o preço, a lei perdeu o vigor, e é iniciada a graça de Deus; o favor imerecido. As Escrituras revelam que algumas pessoas como, o centurião, a mulher pecadora e a mulher adúltera, entenderam o plano perfeito de Deus e aplicaram em suas vidas.

 

#aprendeu

  1. Por que Moisés fugiu para Midiã?
  2. Como os israelitas salvaram seus primogênitos da morte?
  3. Qual foi o ápice da misericórdia de Deus sobre a humanidade?

 

Fonte: Revista Betel Conectar

 

 

ESCOLA DOMINICAL CENTRAL GOSPEL - Lição 8

 O Espírito Santo e o Cristão

__/___/____

 

Lições Bíblicas nº 61

 

TEXTO BÍBLICO BÁSICO

 

1 Coríntios 6.12-20

12 - Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.

13 - Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos; Deus, porém, aniquilará tanto um como os outros. Mas o corpo não é para a fornicação, senão para o Senhor, e o Senhor para o corpo.

14 - Ora, Deus, que também ressuscitou o Senhor, nos ressuscitará a nós pelo seu poder.

15 - Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? Não, por certo.

16 - Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne.

17 - Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito.

18 - Fugi da fornicação. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que fornica peca contra o seu próprio corpo.

19 - Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?

20 - Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.

 

TEXTO ÁUREO

"Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai." Rm 8.15

 

COMENTÁRIO

 

 

 

Palavra introdutória

Nesta lição vamos nos concentrar na relação real, pessoal, dinâmica, poderosa, transformadora e exclusiva que temos com o Espírito Santo, bem como nos efeitos que somente a fé cristã, com suas doutras e seus dogmas, pode oferecer a todo aquele que se dispõe a uma experiência sobrenatural com o próprio Deus.

 

  1. RELACIONAMENTO INTENSO

No plano divino, o Espírito Santo desempenha diversas funções. Porém, após o Pentecostes, Ele tem atuado especialmente na vida do homem.

Podemos usufruir de todas as particularidades do Espírito Santo quando nos lançamos em um relacionamento de profunda intimidade com Ele.

 

1.1. Nosso intercessor

Como vimos em nosso estudo anteriormente, não há dogma, religião, credo ou filosofia que consiga prover ao homem uma aproximação real e experimental de Deus. Essa é uma obra exclusiva do Espírito Santo (Ef 2.18,19). Ele desempenha um papel fundamental nisso, intercedendo por nós, mesmo quando não sabemos nos expressar ou não sabemos identificar o que realmente necessitamos de Deus (Rm 8.26).

 

1.2. O convívio cotidiano

O apóstolo Paulo recebeu a revelação de Deus de que o corpo do cristão é o templo do Espírito Santo (1 Co 3.16,17; 6.19,20). Isso prova que, muito mais do que ser um cooperador juntamente com o Pai, o Espírito busca conviver conosco cotidianamente. É assim que um relacionamento verdadeiro se concretiza.

Diferente do período do Antigo Testamento, quando o Espírito Santo se manifestava por intermédio de poucos homens, no período da Igreja, Ele atua de forma integrada em todos nós. Somos o Seu templo, a morada do Espírito de Deus, daí a recomendação de Paulo: Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós (2 Tm 1.14).

O fato do Espírito Santo habitar em alguém mostra que há um interesse real da parte de Deus em manter uma aproximação conosco. A vinda de Jesus é a maior prova de que Ele se preocupa com a humanidade e, mais do que isso Ele quer conviver com a Sua criação (Rm 8.9).

 

1.3. A assistência do Espírito Santo

O Espírito está pronto para prestar assistência ao cristão em momentos de aflição, angústias e perseguições ou quando ele precisar de ajuda para defesa de sua fé. Essa assistência foi prometida literalmente por Jesus (Mc 13.11) e ela é múltipla, permanente, espontânea, gentil e incansável.

Se estamos andando no Espírito, não temos dificuldade em proclamar o evangelho quando surgirem as oportunidades, mas, ainda assim, se tivermos problemas, Ele estará presente para nos ajudar a superar os desafios (Jo 15.26,27).

 

  1. A COMUNHÃO COM O ESPÍRITO

A bênção apostólica destaca um importante aspecto do ministério do Espírito Santo: a comunhão (2 Co 13.13). Ter comunhão com o Espírito significa ser guiado (Jo 16.13), ungido (1 Jo 2.20,27), fortalecido (Ef 3.16), ajudado (Rm 8.26); ensinado (Jo 14.26), santificado (Rm 15.16), renovado, regenerado (Tt 3.5) e vivificado por Ele (Rm 8.1).

O Espírito é quem produz e aprofunda a comunhão do crente com Cristo (Ef 3.17). A base dessa comunhão é a expiação do pecado pelo sangue de Jesus, o Cordeiro de Deus  (Jo 1.29). O alvo da comunhão é que Cristo habite em cada vida e exerça a plenitude do Seu senhorio (Jo 15.15; Gl 2.20; Ef 2.20-22; Ap 3.20).

 

 

 

A garantia da comunhão é assegurada pela Palavra (1 Co 1.9). Ao desfrutar dessa comunhão, o cristão recebe uma nova visão espiritual do amor de Cristo (Ef 3.18,19). Esse amor deve ser reconhecido e compreendido completamente (Rm 5.5).

 

2.1. Dependência do Espírito

No decurso da sua vida, cada cristão aprende que precisa depender completamente do Espírito Santo. Ele é absolutamente indispensável para o nosso viver. Dependemos dele para a nossa salvação (Jo 3.6,7), para a compreensão das Escrituras (Jo 16.13), para orarmos com eficácia (Rm 8.26), para prosseguirmos na tarefa da evangelização (Ap 22.17), para obtermos o revestimento de poder (At 1.8), para recebermos a manifestação dos dons (1 Co 12.8,9; Rm 13.3-8; Hb 2.3,4) e para sabermos a direção correta (Gl 5.18).

 

2.2. Fé

A fé está intimamente ligada ao Espírito Santo. Ele não somente produz dentro do coração do pecador a fé salvadora, mas também leva o cristão a cultivar a fé como elemento do fruto do Espírito (Gl 5.22).

 

2.3. Fortalecimento

O cristão é fortalecido constante e permanentemente pelo Espírito Santo (Ef 3.16). Esse fortalecimento revigora o homem interior (Jr 31.33; Rm 7.22,23; 2 Co 4.16) e é administrado segundo as riquezas da glória de Cristo (Ef 1,7,18; 3.16; Rm 9.23; 11.33).

 

2.4. A frutificação

A ilustração no Evangelho de Mateus mostra que a verdadeira fé em Cristo transforma a vida e produz frutos para a glória de Deus (Mt 7.20). É o Espírito Santo quem nos ensina e ajuda-nos a frutificar (Mt 7.17).

 

2.5. Guiados pelo Espírito

O termo Guiado pelo Espírito ocorre expressamente em apenas uma das epístolas de Paulo (Rm 8.14,15), mas a verdade é que ela é encontrada implicitamente ao longo de todo o Novo Testamento.

É claramente estabelecido no texto de Paulo que ser filho de Deus é a condição maior para alguém ser guiado pelo Espírito Santo. Mateus, por exemplo, informa-nos que o Mestre foi conduzido ao deserto, guiado pelo Espírito, para ser tentado pelo diabo (Mt 4.1).

 

 

 

Outro texto que nos ajuda a entender mais profundamente esta realidade espiritual é Atos 10.38: como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.

 

  1. O ESPÍRITO SANTO E A ADOÇÃO

Teologicamente, a adoção é selada e confirmada pelo Espírito Santo, concedendo à pessoa que confessa a Cristo como Salvador o status de membro da família de Deus. A doutrina da adoção é aludida em passagens como Gálatas 4.4-7; Romanos 8.14-17; João 1.12; 2 Co 6.18.

O ensino geral das Escrituras a respeito da adoção permite-nos identificar alguns aspectos da relação entre Deus e Seus filhos. Para começar, a adoção é um dom de Deus, do qual participam as três pessoas da Trindade (Gl 4.6) É um ato soberano e livre, espontâneo e perfeito (Ef 1.5), que nos proporciona extraordinários privilégios e solenes deveres. Por meio da adoção, nossa vida de escravidão é anulada e recebemos uma maravilhosa união com Cristo (Gl 4.7; Hb 2.10-13).

 

3.1. A nova condição de filhos

A condição de filho de Deus é obtida pela fé (Gl 3.26). Por causa da adoção, cada cristão tem o dever de seguir, servir, obedecer e imitar a Deus (Mt 5.43-48).

Por serem filhos de Deus, desfrutando da adoção, os cristãos devem amar uns aos outros profundamente com um amor caracterizado pela prática da justiça. pela compaixão e até pela disposição de entregar a própria vida em favor do próximo (1 Jo 3.10-18). Ao levar-nos a Cristo e ao conhecimento da verdade, o Espírito Santo tornou possível a nossa adoção, e Ele sempre trabalhará para que cumpramos os nossos objetivos e deveres (Rm 8.15,16).

Sendo assim não podemos perder de vista que o fato de que a adoção nos fez participantes da herança divina.

 

CONCLUSÃO

Nesta lição, pudemos colocar os alicerces mais firmes e duradouros a fim de que tenhamos uma fé vibrante na situação real que a Igreja deve considerar: somos filhos porque o Espírito nos adotou em Cristo, desfrutamos da habitação do Santo Espírito e temos uma relação real, viva e diária com Ele. É preciso que cada aluno reconheça isso e desfrute abundantemente de todos os ricos benefícios dessa relação com Deus.

 

ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO

 

  1. Cite exemplos do que o ser humano pode experimentar ao ter comunhão com o Espírito Santo.

 

Fonte: Revista Lições da Palavra de Deus n° 61